Juventude Clichê - Revista Eletrônica

⌠ 21 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Fábio C.
32 anos de mudanças na Terra: imagens de satélite 1984-2016
Escrito por Fábio C.

⌠ 44 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Juventude Clichê
De Bandeja
Escrito por Juventude Clichê

de bandeja 1
de bandeja 2
de bandeja 3 copiar
de bandeja 4
Publicação original de The Wireless. Tradução de Catavento.
 
⌠ 51 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Manoelle
Identidade Roubada
Escrito por Manoelle D'França

alt

Quando vi este novo tópico “Filmes & Livros” aqui no JC, enlouqueci! Vieram-me logo uns quinhentos livros e filmes à cabeça – mais livros, para ser sincera. Confesso que, tanto para livros quanto para filmes, eu sou fascinada por thrillers – e um drama bem elaborado também não cai mal. Em vista disso, vim dividir com vocês um dos livros que mais me prenderam e surpreenderam. O livro é o primeiro romance da escritora Chevy Estevens, e intitula-se Identidade Roubada – mas nada tem a ver com o filme do mesmo título. Eu tinha comprado este livro em meados do ano passado, e ficou lá, paradinho, naquela famosa lista “LPL” (Livros Para Ler) que todos nós conhecemos bem.

A obra conta a história de Annie O'Sullivan, uma jovem corretora independente e cheia de planos, que se vê perdida ao ser sequestrada por um homem que, para cometer tal crime, se passa por um de seus clientes. Ela passa intermináveis e miseráveis 365 dias nas mãos de um psicopata, que a submete diariamente a vários rituais doentios e a diversos tipos de crueldade, tanto física como emocionalmente. Além disso, a história é contada minuciosamente por ela mesma, após o infortúnio, em diálogos com sua psicóloga. Em vista disso, ao longo do livro, não só sentimos os monstruosos arrepios de sua convivência com aquele desconhecido, como também acompanhamos toda a sua luta para voltar a levar uma vida normal. Não dizendo muito, mas dizendo algo mais: a história envolve um grande segredo - proveniente de um acontecimento muito delicado, que pode ser considerado o maior fator responsável pelo estado traumático e lamentável em que a personagem se encontra. Recomendo muito! E paro minha resenha por aqui, senão acabo estragando aquele friozinho na barriga tão gostoso, que pega a gente antes de lermos um novo livro.

Sobre a minha reação ao ler: preciso dizer que o livro é forte, mexeu muito comigo, por isso acho válido que se esteja psicologicamente receptivo aos diversos acontecimentos chocantes – dessa vez eu não estava, fui pega completamente desprevenida. Quando você pensar que o sofrimento acabou... Vai por mim, você estará muito enganado. É um livro pequeno, pricipalmente para a intensidade do enredo, mas me prendeu de tal forma que li numa madrugada só – quando fui trabalhar, estava um completo lixo. A linguagem é bem informal e sem rodeios, o que de certa forma me surpreendeu, pois o assunto é todo um bocado complicado e delicado. Chevy Stevens é simples, direta e ferina.

Recomendo, recomendo e recomendo. Acredito que Identidade Roubada mexerá com vocês tanto quanto mexeu comigo.

Até mais e boa leitura!

⌠ 9 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Kainan Ismar
A maravilhosa mudança na vida de Lady Olívia
Escrito por Kainan Ismar

Lady Olívia nunca acreditou em si mesma. Vivia uma vida pacata e nada encantadora de horas gastas num trabalho medíocre e noites apagadas em vinho barato.

Em sua infância fora uma garota quieta e resguardada. Seus pensamentos eram somente seus e seus olhos nunca se aventuraram no infinito acima dos joelhos das outras pessoas. Chamá-la de tímida naquela época era um devaneio vil, por ser a timidez o ato de descobrir o mundo como ele é e encolher-se de surpresa e horror pelo choque de existência, pois que essas coisas para Olívia não passavam de frescura.

Agora adulta e responsável por seus atos, diga-se de passagem, ela sentia que sua vida deveria mudar e que deveria mudar muito. Numa tarde, na livraria onde trabalhava conheceu um homem de meia idade e sua filha. A garota procurava por um livro específico que não encontrava há tempos, mas que por sorte se encontrava naquele estabelecimento. Conversa fiada vai, conversa fiada vem, o homem resolveu comentar que estava passando por um recente divórcio e que o livro que ambos estavam comprando era um presente de comemoração.  

-Você sabe, eu e minha mulher falávamos de divórcio por um bom tempo agora, mas nunca nenhum de nós tomávamos a iniciativa. Foi que minha filha, contando-me sobre como tinha sido forte ao terminar com seu namorado que prometia à ela todo o mês o mesmo livro, como sua mãe também fazia, que tive está luz. Terminarei este relacionamento miserável de mentiras e traições e farei em minha vida uma grande mudança.

Ela ouviu o homem contar mais algumas histórias e a filha corroborar todas com um pequeno brilho nos olhos e então começou a pensar ela mesma.

"Quando irei eu fazer algo por mim, para mudar minha vida e deixar de ser tão submissa?"

Resolveu então que mesmo depois das onze horas de trabalho, iria à um bar, conhecer pessoas novas e respirar novos ares.

Para qualquer um isto seria algo cotidiano e nada inovador, mas para Lady Olívia, com seus 28 anos de submissão e medo, aquele seria um grande passo. 

Como sinal de que estava correta em sua decisão e acreditando que aquilo era Deus se comunicando com ela, Oli encontrou no caixa onde trabalhava naquele dia um livro não-religioso de auto-ajuda não-oficial, que dizia todas essas coisas sobre tomar controle de sua vida e fazer em si a grande mudança. Leu o livro de 163 páginas avidamente até o fim e quando notou-se o horário já era o de saída.

Toda determinada, Lady Olívia com seus 28 anos de submissão e com suas novas ideias sobre como tomar um novo rumo na vida, caminhou até o ponto de ônibus de todos os dias e esperou o ônibus rotineiro, que não demoraria muito a chegar. Viu então, caminhando em sua direção, um homem jovem vestido todo em preto, caminhando de maneira engraçada.

"Um tanto quanto suspeito" - pensou ela - "Será ele um assaltante?"

Cada vez mais próximo o rapaz ajeitára o gorro da blusa de maneira a esconder melhor seu rosto e logo em seguida afundou as mãos nos bolsos do moletom.

"Eu ficarei sem celular e sem meu salário completo se ele me assaltar!" - pensou ela agora apavorada.

O ônibus chegou e ela entrou com a melhor agilidade que existia em sua capacidade.

"Ufa, estou salva."

Dentro no ônibus, respirando mais calma, Olivia percebeu-se segura.

No ponto onde deveria descer para ir ao barzinho, a mulher reparou em seu celular uma mensagem.

"Olá, Lady Olívia. Estamos lhe enviando esta mensagem para te notificar sobre um ajuste na taxa dos serviços de telefonia contratados pela Sra. Informamos que agora, suas contas telefônicas ficarão um real mais caras. Qualquer dúvida entre em..."

Era aquilo.

A mudança que sua vida deveria ter.

Encostou a cabeça no vidro do ônibus que agora não tremia tanto, pois já estava em movimento e pôs-se a cochilar em devaneios sobre bolinhos em xícaras.

Ela tivera por uma noite muitas aventuras e mudanças, de certa forma Deus estava certo com seus sinais.

Chegando em casa alimentou seus gatos, tomou um banho quente e depois de se empanturrar com um jantar simples acompanhado de um vinho barato, deitou-se na estreita e dura cama para uma pequena noite de sono.

⌠ 26 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Isabela Barbosa
Caminhando sob a vida...
Escrito por Isabela

Andei, andei e caminhei
pontes e montanhas
rios e mares
avenidas e ruas,
atravessando faróis
sob barcos, sob os pés caminhados


Andei a olhar...
céu e chão,
semblantes e rostos
árvores e flores
frutos ao chão, na mão


Buscando números...
voltei, voltei e andei
sob a areia da praia imensa
contando gotas de água
ouvindo canções
coroando letras


Esquecendo de enxergar
vi pessoas a correr
na linha do tempo
sem se olharem


Vi, vi eu vi
documentos impedindo de ser
recuando iniciativas
e tornando pessoas em números


Quem escrevia aquela história contada?
Onde estive, onde vou
é por onde andei
passos entre dados
buscando a luz, o sinal do dia
a vida além do horizonte