⌠ 57 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Manoelle
Carpete
Escrito por Manoelle D'França

alt

   Naquela noite, o cansaço me vencera. Joguei as chaves sobre a mesa e depois me atirei no sofá, sem a menor cerimônia. A costura do estofado incomodava um pouco... pinicava, mas quem quer saber disso quando se está em cacos? Eu preciso comprar um sofá mais confortável, este quase sempre me causa pesadelos... Mas que diabos eu acabei de dizer?! Eu, hein... Há uma cama no andar de cima, sou mesmo um idiota.
    Silêncio.
   Ah, mas ainda tinha a mulher, aquela mulher que quase nunca me deixava dormir. Com ela não havia diálogo, ela não respeitava minha dor, minha tensão e, muito menos, meu cansaço.
   Paciência.
   Oh, não... Lá vinha ela novamente, faceira, saltitante com aquele risinho vingativo que me tirava o pouco fôlego que me restava no peito. Lá vinha ela... na minha direção. Diabos! Desvie, desvie, desv... Até que chegara perto demais. Senti seu hálito em meu pescoço, pensei que me beijaria, mas apenas subiu os lábios e sussurrou algo em meu ouvido... Não me lembro de ter compreendido o que era, mas me lembro de ter-me arrepiado os pelos das costas como um gato. Deitara-se no chão, próxima a mim e começara a falar sobre banalidades... Banalidades, a meu ver. Falava em demasia, mas não um tagarelar irritante de grande parte das mulheres da minha vida, mas à sua maneira de falar demais. Sua voz me era música aos ouvidos. Também não me lembro de nada do que dissera... mas, entenda, a forma como ela falava daquelas coisas me arrepiava ainda mais que seu hálito em meus ouvidos. O que era? Deixe-me tentar explicar... Era... a maneira como o ar lhe saía dos pulmões enquanto pronunciava suas palavras, a forma matreiramente preguiçosa com que sua voz lhe saía da boca, formando pausas que faziam-me concentrar-me em seu perfume... Era quase como se ela pausasse para exalar seu perfume. O perfume? Ah, aquele perfume... Somente ela o possuía. Não era algo comprado por aí, não acredito que fosse. Era algo que provinha dela e só poderia provir dela. Um cheiro de chuva com frutas recém-colhidas e um torturante adocicado que me lembrava vinho. Era uma mistura de seus cabelos, pele e boca que exalavam aquele aroma absurdo. Era quase uma panaceia; curara meu cansaço. Então, esperei que aquela raposa traiçoeira recomeçasse a falar, decidi que não me conteria mais. Afaguei seus suaves cachos dourados enquanto ela falava sem ao menos dar-se conta disso. E então, joguei-me sobre ela e ataquei com meu beijo mais lascivo, segurei sua cintura e...
   Merda! Acordei jogado de bruços no chão, beijando o carpete novamente, com a boca cheia de fios de camurça e pelos de gato. Eu deveria ter ido para a cama.

 

Manoelle D'França