⌠ 33 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Afonso Sauniére
Carpe diem
Escrito por Afonso Sauniére

Lembra do dia de jangada,
aquele de vento na testa?
Se lembra da vez das estrelas,
aquela das mãos suadas?
É que eu tenho retido sempre
nos fragmentos matinais,
que eu tenho lembrado da vida,
que eu tenho visto os sinais
de que fiz tudo, menos morrer.
Porque a morte aqui é desvinculada de sentir.
E se eu sinto teu nome no ar,
é por viver de dentro pra fora.
Se eu sinto o poema beijar
e sinto a ânsia de um dia transcender,
pode apostar que a vida é mais do que amar.
A vida é mais do que sofrer.