⌠ 50 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Deni Mazur
O Segundo Domingo de Maio
Escrito por Deni


     E o começo de tudo é uma escuridão, uma insegurança, o que virá pela frente, o que virá de dentro de mim, o que virá dos outros? Agora não tem mais volta, tudo vai mudar nos próximos dias, ele está chegando, ou será ela? Nunca nos encontramos antes, estou com medo, também ansiosa, alegre e triste, mas acho que é disso que é feito o amor, de tudo isso, se o amor fosse um sentimento único ele seria facilmente entendido, mas essa mistura de sensações é o que faz do amor o amor.

    Cada dia me sinto mais insegura, menos preparada para o cargo, mas também cada dia mais eu o desejo, desejo esse título, vou vencer e tomá-lo para mim, sou merecedora dele, talvez as coisas não se saiam tão bem no futuro… Mas quem sabe do futuro?

    Será em breve, ele está chegando, ou será ela? Quem fará essa entrevista? Estou nervosa demais, mas lá vem, chegou! É ele, mas se quando crescer, ele, desejar ser ela, que assim seja, vou amá-lo, vou sim, mesmo que eu diga que não, meu coração não me deixará mentir, vou envolvê-lo nos meus braços quando chorar e quando rir, vamos crescer juntos, vou sempre tê-lo gravado na memória como um quarto azul, uma paz de lua de prata, será sempre meu “Rock And Roll Lullaby”.

    Não sei o que é ser mãe, não posso entender isso a fundo, acho que nem as mães mais experientes entendem… Como entender o amor? Ser mãe é amor, apenas isso, não importa o tipo ou a idade da mãe, todas são feitas de amor, o mundo pode fazer parecê-las feitas de alguma coisa ruim as vezes, mas é de amor que nós somos realmente feitas, o que no mundo além do amor nos faria gostar dessas coisinhas que nos torturaram por meses?

     Agora meu filho, me ouça bem, você vai errar, e errar muito, e errar feio, mas também vai acertar lindamente, várias flechas no meu coração, vários sustos na minha alma, vários beijos no meu rosto, me trará preocupações e calma, ah meu filho, minha linda gentinha, passei na entrevista, sou tua mãe, agora quero que me realize apenas um pedido, me perdoar, por te amar demais, por te querer sempre perto, por ser chata com seus erros, me perdoe, mas nada no mundo, falo sério, nada mesmo é tão precioso pra mim quanto você o é… Ouviu? Agora corre seu pestinha, corre brincar nessa roda viva que é existir.

     Lá vai ele, longe, e irá mais longe ainda conforme suas pernas cresçam, vai meu filho, vai ser feliz, sempre estarei aqui quando precisar voltar, vai meu eterno pequeno, foge com o sol pro horizonte, vou ficar como a lua correndo atrás de ti, brilhando apenas por você ser meu sol, cuidando pra que mesmo na escuridão da noite haja um brilho pra te guiar, sai logo daqui, não me veja chorar, você não entenderia que essa água de mar que corre dos olhos é alegria e não tristeza, corre daqui, sei que vai partir no próximo barco, mas que vai voltar, vai voltar quando eu fechar os olhos, vai voltar quando eu olhar suas fotos, quando eu entrar no seu quarto, quando o sol nascer, vai voltar sempre, mesmo sem nunca ter partido.

     É isso, um beijo na testa e vai logo antes que eu decida não te soltar dos meus braços, e não se esqueça, quando não conseguir dormir feche os olhos e procure pelo meu “Rock And Roll Lullaby”, boa viagem meu pequeno, o mundo é imenso, mas eu sou Mãe.