⌠ 24 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Ramon Bernardo
Nietzsche - O Eterno Retorno (Quando Nietzche Chorou)

 
⌠ 29 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Ramon Bernardo
Almas e Mutualismo

alt

A cada folha que rasgo, vai-se um pedaço de mim.
A cada cigarro fumado, fogo queimado em meus lábios, vai-se tragos do meu coração.
Coração que é de pedra.
Coração que é de restos, de carnificinas.
Decompositores se achegam ao órgão destruído, pouco vivo.
A cada música cantada, vai-se de mim, emoção.
Falo de mim, pois já não sei dizer sujeitos separados.
Falo de juntos, compormos um único eu.
E a cada eu falado, vai-se de mim um pouco de ti.
Já não existe mais você e eu.
Você e eu.
Uma mesma pessoa.
Um mesmo ser.

 

 
⌠ 34 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Ramon Bernardo
Inconsistente.

alt

Um abraço apertado,
Um sopro no ouvido.
Sua voz é sincera,
Mas seu coração mente.
Eu tenho medo.
Medo desse nosso amor.
Eu tenho pressa.
Pressa em tornar-me lento.
Eu tenho fé.
Fé nas pessoas.
Nas pessoas que têm alma.
Ah, e você?
Você não tem alma.
Você tem demônios.
Você tem a mim,
Como eu mesmo nunca tive.
Dê-me a mim.
Descubra-me, mas devolva-me.
Deixe-me ser meu, como sou de ti.
 

 
⌠ 33 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Ramon Bernardo
Minha Alma é uma Selva

"Expressar-se verbalmente pode até ser bem visto aos olhos e bonito aos ouvidos. Mas, a alma podre, não se expõe pela boca.

alt

Quem sou eu no meio desta selva?
Os animais que me rodeiam, querem ao certo, todos, me devorar.
Eu que sou tão perverso, me vejo estranho sentindo medo.
O que há neles que me deixa assim, amedrontado?
São suas máscaras de sangue e carne? Ou os ruídos que brotam de suas almas?
Estou confuso, são tão simples. Não devia ter medo.
Estou horas observando nesta escura data fúnebre.
E, pouco a pouco, eles descansam me olhando e, mesmo assim, meu medo grita em mim.
Devia mesmo ter medo deles, pois são iguais a mim e eu me conheço.

 
⌠ 42 avaliações para a publicação abaixo ⌡
Ramon Bernardo
Breve análise de nós

alt

Sou o mesmo.
Escondido em sua mente doentia.
Não foi minha intenção, mas sei que te deixei doentio.
Você escreve sobre mim, me ama pelo averso, dizendo tolo, que é ódio.
Desgarrado você geme, madrugada adentro.
E entre um cigarro e outro sussura meu nome, em tom de vingança.

 

 
<< Início < Anterior 1 2 Próximo > Fim >>

Página 2 de 2